MARANHÃO EM OBRAS

MARANHÃO EM OBRAS

sábado, 24 de junho de 2017

Kakay, advogado de Roseana, deve ser intimado para elaborar defesa


O bon vivant e advogado pop do universo político
Da redação
O escândalo de desvios do erário público na Secretaria Estadual de Fazenda do Maranhão no governo Roseana Sarney (PMDB) continua em curso e de forma intensa. Mais conhecido como Caso Sefaz, o imbróglio já tem sinais de suas primeiras fases de finalizar.
Conhecido como o “bon vivant” no meio político e jurídico – fama que não faz questão alguma de esconder -, Carlos de Almeida Castro, o Kakay, já deve estar com a intimação da justiça maranhense em mãos para elaborar a defesa da ex-governadora que ainda permanece ré no caso.
Nesta última semana, o juiz Fernando Luiz Mendes Cruz, da 7ª Vara Criminal acatou a apelação interposta pelo Ministério Público estadual e solicitou intimação á defesa de Roseana para que ela ofereça as contrarrazões (FOTO).
De acordo com os vistos do juiz, a apelação foi recebida e aprovada por ser “tempestiva e a via adequada e cabível”. Falta saber se o que acusa o resultado da perícia contábil e tecnológica realizada em relação à Roseana e os demais 09 acusados no esquema da Sefaz. A peemedebista deve depor em agosto deste anode acordo com o promotor do caso, Paulo Roberto Ramos, em recente entrevista exclusiva ao portal Página 2.
Fama agradável
Milionário, Kakay tem mansões em Paris, Londres e Monte Carlo, onde ofereceu um jantar para Paulo e Sylvia Maluf há alguns longos anos. Mas, além da fama de viver bem, comer e beber nos melhores e mais caros lugares, é também um dos advogados criminalistas que mais defende políticos com nomes envolvidos em grandes escândalos, como é também o caso da Lava Jato.
Neste último caso citado, Roseana e mais 17 políticos são clientes de Kakay na elaboração de suas defesas. Ele advoga para Roseana e José Sarney, Romero Jucá, Edison Lobão e Ciro Nogueira, entre outros. “Só pego casos que sei que vou conseguir ter uma defesa técnica.
Roseana Sarney deve depor em agosto no caso Sefaz
Se eu não achar que vou absolver o cliente, nem aceito a proposta. ”, disse em uma recente entrevista ao jornal O Globo, ao ser questionado sobre a inocência do acusado quando pega o caso para trabalhar.

Nenhum comentário: