segunda-feira, 20 de agosto de 2018

MULTIDÃO E CARISMA MARCAM INICIO DA CAMPANHA DA Drª THAIZA HORTEGAL



Começou bem e já caiu no gosto popular, assim como em Presidente Sarney  onde foi calorosamente recebida ontem na cidade de Pedro do Rosário não foi diferente onde  na tarde de ontem  (19) a candidata Dr. Thaiza saiu do Paraiso em carreata em direção ao município Pedro do Rosário, a onda do “T” caiu nas graças do povo e saiu arrastando uma multidão pelas ruas por onde a comitiva passava. Na oportunidade a candidata se reuniu com lideranças políticas e comunitárias da cidade na inauguração de mais um comitê.
Com o apoio da ex vereadora Iolanda daquela cidade,  a candidata Drª Thaiza agradeceu o enorme carrinho que tem recebido por onde passa, e mostra todo carisma ela falou em seu discurso da importância da mulher na política, falou da sua experiência e determinação no que diz respeito onde ela vem ajudando o seu marido e prefeito de Pinheiro a fazer uma transformação nessa área em nosso município e como deputada pretendo a levar essa experiência a outros municípios.

Apesar de iniciante na carreira politica a candidata tem empolgado e  conquistado a admiração de milhares de pessoas que a tem acompanhado, superando até mesmo alguns veteranos que ainda patinam nesse inicio da Campanha Eleitoral.







Impugnada candidatura de Roseana Sarney

Em petição fundamentada e fartamente instruída com muitos documentos, o deputado federal Rubens Pereira Júnior encaminhou ao Ministério Público Eleitoral notícia de inelegibilidade de Roseana Sarney, candidata do MDB ao cargo de governadora do Estado.
O deputado comprova que Roseana Sarney tem poderes de administração e de representação nas empresas da Televisão Mirante e nas rádios Mirante AM e Mirante FM. E por esse motivo, as empresas não poderiam manter contratos com o poder público nos seis meses que antecedem as eleições.
Na petição, apresentando jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral, Rubens Júnior demonstra que o só fato de manterem outorgas de concessão e autorização para serem emissoras e retransmissoras de televisão e rádio já torna a candidata inelegível.
Mas, além desse fato, o deputado comprovou que a Rádio Mirante celebrou contrato em junho de 2018 com uma prefeitura maranhense. Ou seja, dentro do período vedado. E também que nesse período a Mirante foi contrata pelo Ministério da Saúde para veicular publicidade institucional, em campanhas que foram ao ar nos meses de abril, maio e junho.
                          Coronéis eletrônicos fogem da inelegibilidade 
A família Sarney não é única a possuir um sistema de comunicação visando influenciar as eleições. Ou seja, Roseana Sarney não é a única política a ter televisão e rádio para fazer política.
Mas no caso de outros coronéis eletrônicos, como são conhecidos os políticos que possuem meios de comunicação para fazerem política eleitoral, em geral eles alteram os contratos sociais das empresas para colocarem outro sócio com poderes de administração e representação.
No caso do Sistema Difusora, por exemplo, Edison Lobão Filho colocou o sócio Rafael Barjona Lobão como administrador e representante das empresas. Assim, burla a lei de inelegibilidade e pode disputar as eleições.
Com relação a Mirante, embora as empresas sejam administradas por Fernando Sarney e sua mulher, Teresa Sarney, talvez por não confiarem plenamente no irmão, Roseana e Sarney Filho não retiraram dos contratos sociais os poderes de administração e de representação. É uma forma de poder intervir sempre nos negócios da empresa e controlar o irmão.
Além disso, por serem representantes legais da empresa, Roseana e Sarney Filho podem diligenciar assuntos de interesse do Sistema Mirante nas repartições públicas em Brasília, onde exercem grande influência. Exemplo disso foi o que ocorreu exatamente quando eles abocanharam verbas de publicidade do Ministério da Saúde, em maio e junho de 2018.

domingo, 19 de agosto de 2018

Empresário evangélico que morreu ao se jogar do alto do “esqueleto da morte” foi enterrado hoje

Conhecido como “esqueleto da morte”, denominação dada ao conjunto de armação de ferro e concreto da Oi, na Cohama, voltou a ser palco de mais um suicídio em São Luís. Um empresário, evangélico, pai de dois filhos menores, jogou-se do último andar da construção abandonada, na manhã de sábado (18), e morreu.

Heber Waldson, que tinha entre 42 e 44 anos, empresário e evangélico da Igreja Batista Nacional do Vinho, estava passando por profundo estado depressivo. Ontem, antes de amanhecer, ele saiu de seu apartamento, localizado no Park Atenas, e se dirigiu para a armação de construção no retorno da Cohama, na Avenida Daniel de La Touche.
Ele subiu até o último andar, a uma altura de 15 metros, e quando estava amanhecendo, sob olhares de vários curiosos e de alguns membros do Corpo de Bombeiros, que tentaram evitar a tragédia, atirou-se para a morte.

O empresário ainda foi socorrido e levado imediatamente para o Hospital São Domingos, onde não demorou muito e veio a óbito.

O corpo demorou a chegar ao IML, de onde saiu por volta das 21h30 para o velório na igreja que frequentava.

O enterro ocorreu neste domingo (19), às 10h, no cemitério Pax União, na MA-204, em Paço do Lumiar.
Última postagem do empresário no facebook
Outros suicídios no “Esqueleto da Morte”

No dia 21 de abril de 2014, o jovem Ismael Alves, 20 anos, estava batendo fotos com uns amigos quando teria escorregado e caído, mas alguns garantem que foi suicídio.
Rafaela Cristina, de 18 anos (foto abaixo), também se jogou do alto da mesma armação de ferro e placas de concreto, no dia 8 de fevereiro de 2017. Os amigos que estavam com ele no momento da queda sumiram.

Antes, havia segurança e ninguém entrava no local. Hoje, o “Esqueleto da Morte” serve de abrigo para drogados e ponto para motel aberto.

A reportagem do blog esteve no local, no dia 8 de fevereiro de 2017, logo após a tragédia com a jovem Rafaela, e mostrou a situação de abandono, além da facilidade de as pessoas terem acesso facilmente. Veja registros feitos na ocasião.


Grupo politico liderado por Luciano Genésio inaugura comitê em prol da candidata a deputada Thaiza hortegal

Na tarde deste sábado (18) a candidata à deputada estadual, Dr. Thaiza, participou da inauguração do seu primeiro comitê na cidade de presidente Sarney.
A Dr. Thaiza reafirmou seu compromisso com a saúde que tem sido uma das suas principais bandeiras: “Por onde temos passado as queixas e os pedidos de socorro são grandes especialmente em relação à saúde”. Completando o seu discurso, a candidata falou dos projetos que acompanhou de perto junto com o marido Luciano, Prefeito de Pinheiro, como o Alô bebê, que atende as gestantes de toda à Baixada e a implantação da maternidade de alto risco no município polo e se emocionou ao falar da importância do ex-deputado Zé Genésio, que possui uma história política não só na Baixada, mas em todo o Maranhão.
Na oportunidade o Prefeito de Pinheiro, Luciano Genésio, relembrou o início da sua trajetória política que se deu no município de Presidente Sarney.
A agenda da candidata encerrou no distrito de Três Furos com a inauguração do segundo comitê na cidade onde a aceitação e apoio a médica são expressivos.
O evento contou com a presença em peso da população e de várias autoridades e lideranças políticas como o ex-prefeito do município João Amorim que tem apoiado e contribuído com o projeto da médica, a vice-prefeita da cidade Lurdinha, dos vereadores Adelmo, Branco Dávila, Valdemir Macário, Raimundinho de Genir, Cothê, do ex-deputado Zé Genésio, do líder político Geraldo e da candidata a suplente a senadora Lucyana Genésio.
Em entrevista concedida a redação do blog Welligton Sérgio a candidata falou que se sente muito acolhida pela população da cidade: “Quero agradecer ao povo de Presidente Sarney e ao apoio que já vem de várias eleições, antes com meu esposo Luciano e agora comigo. Vamos juntos, vamos em frente por um Maranhão Diferente”.
Logo em seguida a candidata se deslocou para a cidade de Zé Doca para cumprir agenda no município e amanhã estará em Pedro do Rosário participando de um importante evento político.
















sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Barroso será relator do caso Lula, decide TSE

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Rosa Weber, decidiu nesta quinta-feira (16) manter o ministro Luís Roberto Barroso, vice-presidente da Corte, relator do registro da candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao Palácio do Planalto.
A decisão foi tomada porque, logo após o PT registrar a candidatura de Lula, nesta quinta (15), contestações foram apresentadas ao TSE.
Como os questionamentos foram distribuídos por sorteio para ministros diferentes (Barroso e Admar Gonzaga), a defesa de Lula pediu ao tribunal para definir o relator. Os advogados argumentaram que a definição era necessária para eles saberem a quem se reportar.
No despacho desta quinta-feira, Rosa Weber entendeu que as impugnações feitas em separado (fora do registro de candidatura) não podem definir relatoria.
Ao todo, até a noite desta quinta-feira, sete questionamentos já haviam sido apresentados.
Registro da candidatura
Presidente da República de 2003 a 2010, Lula foi registrado como candidato do PT ao Palácio do Planalto na eleição deste ano em uma chapa formada com o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, também do PT.
A candidatura de Lula, contudo, passou a gerar questionamentos na Justiça principalmente por ele já ter sido condenado em segunda instância e estar atualmente preso.
A Lei da Ficha Limpa prevê que uma pessoa se torna inelegível após ser condenada por órgão colegiado da Justiça – Lula foi condenado pelos três desembargadores da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Mas o TSE ainda precisa decidir sobre a situação do ex-presidente.
No entendimento dos desembargadores do TRF-4, Lula recebeu da OAS um apartamento triplex em Guarujá (SP) em retribuição a contratos firmados pela construtora com a Petrobras.
Desde o início das investigações, Lula tem reafirmado que é inocente e que o imóvel não é dele. A defesa do ex-presidente também argumenta desde o começo do processo que ele não cometeu crimes antes, durante ou depois do mandato. (G1)

Latrocida resiste à prisão, ameaça disparar contra policiais e é alvejado a tiros em Parnarama

O latrocida Antônio da Conceição, conhecido como ‘Sanharó’, foi alvejado a tiros por policiais civis, na manhã desta quinta-feira (16), na cidade de Parnarama, a 485 km de São Luís. De acordo com informação da polícia, ele resistiu à prisão, no momento da abordagem.
A ação policial, deflagrada às 6h, foi coordenada pela Delegacia de Parnarama, responsável pelo cumprimento de mandado de prisão preventiva expedido pela justiça. 'Sanhoró' é acusado de prática de latrocínio na cidade.
Durante abordagem policial, Antônio Conceição sacou uma arma de fogo, ameaçando disparar contra os polícias civis, oportunidade em que foi utilizado o uso progressivo da força, sendo efetuados disparos contra o mesmo.
Após a prisão e os primeiros socorros, Antônio da Conceição será encaminhado a unidade prisional Jorge Vieira, na cidade de Timon, onde ficará à disposição da Justiça.

Flávio Dino inicia campanha mostrando força e popularidade na Raposa





Milhares de pessoas acompanharam o governador Flávio Dino na caminhada que abriu a campanha nas ruas pela reeleição, na noite desta quinta-feira (16), na Raposa. As bandeiras, camisetas e adereços inundaram as ruas com o número 65, que é o de Flávio nas urnas.
O ato foi embalado pelo Passinho do 65, o hit que tomou conta da campanha vitoriosa de 2014. Os candidatos ao Senado Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS) também participaram do evento.
A grande presença de pessoas na caminhada deu o tom do que vai ser a campanha de Flávio neste ano: alegria e certeza de que a mudança vai continuar.
Flávio Dino foi recebido e conversou com os maranhenses, que explicaram as razões de votar novamente nele para governador. “Voto nele para fazer a continuação do belo trabalho que ele está fazendo. Por isso é Flávio Dino de novo”, disse Francineide Santos, uma das mais empolgadas.
Ao falar para os milhares de pessoas presentes, Flávio pediu que “todo o povo do Maranhão ouça a nossa voz neste momento, como uma voz de esperança e uma voz de gratidão”.
“É 65: este é o número dos que querem que o Maranhão ande pra frente. Que Deus acompanhe a nossa campanha até a vitória no dia 7 de outubro”, acrescentou.
Ao falar sobre os avanços vividos pelo Maranhão desde 2015, Flávio ressaltou que tudo foi feito apesar da grave crise nacional. “Peguei um tempo difícil, mas não me queixo, porque Deus dá a carga de acordo com a nossa capacidade de levar adiante. Ele sabia o que fazia, porque me deu essa conjuntura difícil para dizer ao povo hoje que quem navegou na tempestade e sobreviveu está apto a navegar em mares calmos e fazer mais em favor da população.”.
Para seguir em frente
Um do que seguiram o agito do 65 para acompanhar Flávio Dino foi Egídio Oliveira: “Eu voto nele porque é um grande governador e está fazendo um grande trabalho, grandes projetos. E claro que o Maranhão tá sendo desenvolvido a mil por hora, tá sendo respeitado por cada voto que Flávio Dino teve. E sem dúvida nenhuma a gente vê as mudanças em cada canto. E o Maranhão tem que seguir em frente”.
A prefeita Talita Laci (PCdoB) acompanhou a caminhada. “Pelo bem do estado do Maranhão, da Raposa, do progresso e o desenvolvimento, quero dizer que a nossa cidade é 65. E quero dizer que, para esta campanha vitoriosa conte, com a Talita Laci e a cidade de Raposa.”
A campanha
A campanha eleitoral começou nesta quinta-feira, e Flávio Dino vai percorrer o Maranhão para dialogar com a população mais uma vez. Por onde passa, maranhenses têm pedido a ele que continue o trabalho que vem sendo feito, para que as mudanças sigam em frente.
Nesta sexta-feira (17), Flávio estará em Imperatriz a partir das 17h, com concentração uma hora antes da Praça de Fátima. Em seguida, às 20h, ele faz uma grade reunião em João Lisboa, na Praça do Mercado.

Casal condenado a 13 anos por estupro de vulnerável é preso em Coelho Neto



Policiais civis prenderam, na quarta-feira (15), um casal condenado a 13 anos de prisão pelo crime de estupro de vulnerável. Entre os presos está a mãe da vítima, condenada por ter sido considerada conivente com o então companheiro.
O crime ocorreu em 2014 quando a vítima tinha 11 anos. Jacinto Alves de Freitas era padrasto da menina e foi indiciado por ter abusado sexualmente da criança. As investigações apontaram que a mãe da garota, Maria Francisca dos Anjos Freire foi conivente com o então companheiro.
O casal acabou se separando durante o processo, mas ambos foram condenados a 13 anos de prisão.
Jacinto Alves e Maria Francisca dos Anjos foram transferidos para Caxias, onde irão iniciar o cumprimento da pena de reclusão.

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

PRIMEIRA MÃO: MPF solicita impugnação da candidatura de Hemetério Weba

O procurador regional eleitoral, Pedro Henrique Oliveira Castelo Branco, encaminhou ao Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE/MA) ação solicitando a impugnação do pedido de registro de candidatura do deputado estadual Hemetério Weba (PP).

O representante do Ministério Público justificou o pedido afirmando que o parlamentar possui condenações no âmbito do Tribunal de Contas da União (TCU), além de ter tido confirmada, pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), condenação pelo fato de não ter prestado contas à Câmara Municipal de Nova Olinda do Maranhão no ano de 2006, quando administrou a cidade.
VEJA DOCUMENTOS:

Quem são os 13 candidatos à Presidência da República em 2018





Terminado o prazo para o registro de candidaturas à Presidência da República no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), às 19h desta quarta-feira, 15, a corrida pelo Palácio do Planalto de 2018 tem, oficialmente, 13 candidatos. É o maior número em eleições presidenciais no Brasil desde 1989, a primeira da redemocratização, quando foram 22 os presidenciáveis.
Além de PT e PSDB, que polarizam as disputas pelo Planalto desde 1994, a eleição de 2018 terá um candidato do MDB após 24 anos, um do PDT depois de 12 anos e a estreia da Rede Sustentabilidade, criada em 2015, no cenário nacional.
Também estarão representados na urna com cabeças de chapa o PSOL, que vem lançando candidatos à Presidência em todos os pleitos desde 2006, PSL, PPL e PSTU, além de partidos que aderiram à tendência de abolirem siglas como nome: Podemos, Novo, Democracia Cristã e Patriota.

Veja abaixo quem são os candidatos à Presidência:

Lula (PT)


 (Nelson Almeida/AFP)
Líder nas pesquisas de intenção de voto, embora preso e enquadrado na Lei da Ficha Limpa por ter sido condenado em segunda instância na Operação Lava Jato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de 72 anos, foi oficializado na corrida presidencial nesta quarta, último dia do prazo. Eleito em 2002 e reeleito em 2006, Lula teve registrado como candidato a vice-presidente o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, de 55 anos.
Com o provável indeferimento do registro da candidatura do ex-presidente pelo TSE, o que deve ocorrer até, no máximo, o dia 17 de setembro, Haddad deve ser o candidato do PT à sucessão do presidente Michel Temer (MDB). A vice, neste caso, será a deputada estadual pelo Rio Grande do Sul Manuela D’Ávila, do PCdoB, que abriu mão de sua candidatura à Presidência para aguardar a decisão da Justiça Eleitoral sobre o titular da chapa petista. Além dos comunistas, o PT tem em sua coligação o PROS.

Jair Bolsonaro (PSL)


Capitão da reserva do Exército, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ), de 63 anos, é o representante do conservadorismo e da direita com maior potencial eleitoral na disputa deste ano. Sem Lula entre os candidatos, é ele quem lidera as pesquisas de intenção de voto à Presidência, com 19% da preferência, conforme pesquisa VEJA/Ideia Big Data divulgada no final de julho.
Depois de três negociações frustradas pela indicação de seu companheiro de chapa – com o senador Magno Malta (PR-ES), a advogada Janaina Paschoal e o “príncipe” Luiz Philippe de Orleans e Bragança – formou-se uma chapa puro-sangue militar, com o general da reserva Hamilton Mourão, de 65 anos, na vice de Bolsonaro. O partido de Mourão, o nanico PRTB, é o único aliado do candidato do igualmente diminuto PSL na eleição.

Marina Silva (Rede)


Em sua terceira tentativa de chegar à Presidência – foi derrotada ainda no primeiro turno em 2010 e 2014 – a ex-ministra e ex-senadora Marina Silva (Rede), de 60 anos, disputará a primeira eleição ao Palácio do Planalto liderando a Rede Sustentabilidade, partido que ela idealizou e ganhou vida em 2015. Nos pleitos anteriores, ela estava filiada a PV e PSB, respectivamente.
Com o chamado “recall” das eleições anteriores, Marina aparece logo abaixo de Bolsonaro nas pesquisas eleitorais. No levantamento VEJA/Ideia Big Data, ela marcou 11% das intenções de voto sem Lula no páreo. Seu vice é o médico Eduardo Jorge, de 68 anos, filiado ao único partido aliado à Rede de Marina Silva, o PV. Jorge disputou a Presidência em 2014.

Ciro Gomes (PDT)


O ex-ministro e ex-governador do Ceará Ciro Gomes, 60 anos, está de volta à disputa pela Presidência após 16 anos. Filiado ao PDT, depois de passar por seis partidos, Ciro havia concorrido ao Planalto em 1998 e 2002, pelo PPS, e não chegou ao segundo turno em nenhuma das duas ocasiões. Com 7% das intenções de voto no cenário sem Lula, conforme a pesquisa VEJA/Ideia Big Data, o pedetista pode ter sua candidatura “esvaziada” à esquerda, sobretudo no Nordeste, com a confirmação de que Fernando Haddad será o candidato apoiado por Lula.
Aliado apenas ao nanico Avante – o PSB, que ele cortejava, declarou-se neutro, em acordo com o PT – Ciro Gomes vai para a campanha com uma chapa pura do PDT. Sua vice é a senadora Kátia Abreu (TO), 56 anos, que tem a trajetória parlamentar ligada ao agronegócio e já passou por PFL, DEM, PSD e MDB, do qual foi expulsa por criticar o governo de Michel Temer.

Geraldo Alckmin (PSDB)


Governador de São Paulo por quatro vezes, Geraldo Alckmin (PSDB), 65 anos, disputará pela segunda vez a Presidência da República – ele foi derrotado por Lula em 2006, quando teve menos votos no segundo turno do que no primeiro.
O tucano patina nas pesquisas de intenção de voto, tem 6% da preferência, conforme o levantamento VEJA/Ideia Big Data, e aposta no amplo arco de alianças que costurou para crescer. Alckmin recebeu o apoio dos cinco que compõem o chamado Centrão (PP, DEM, PRB, PR e Solidariedade), além de PTB, PPS e PSD, e terá cerca 40% do tempo da propaganda eleitoral em rádio e TV. Sua vice, avalizada pelo Centrão, é a senadora Ana Amélia (PP-RS), de 73 anos.


Ex-governador do Paraná e senador em terceiro mandato, Alvaro Dias (Podemos), 73 anos, concorrerá à Presidência pela primeira vez. Apostando no discurso de “refundar a República” e na promessa de que convidará o juiz federal Sergio Moro para ser seu ministro da Justiça, Dias tem como principal força a região Sul do país. Conforme a pesquisa VEJA/Ideia Big Data, ele lidera na região, com 23% das intenções de voto. Pouco conhecido nas demais regiões, Dias tem 4% da preferência no país, segundo o levantamento.
O vice de Alvaro Dias é o ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) Paulo Rabello de Castro (PSC), de 69 anos. Além do partido de seu companheiro de chapa, a coligação encabeçada por Dias inclui os nanicos PRP e PTC.

Henrique Meirelles (MDB)


Depois de 24 anos, o MDB voltará a ter um candidato à Presidência da República. O nome escolhido pelo partido, um neoemedebista, é o do ex-presidente do Banco Central e ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles, 72 anos, filiado ao partido em abril.
Em campanha, Meirelles terá como principal obstáculo sua ligação com o impopular presidente Michel Temer, reprovado por 82% da população, conforme o Datafolha, e de cujo governo ele foi ministro entre maio de 2016 e abril de 2018. Com 2% das intenções de voto na pesquisa VEJA/Ideia Big Data, Meirelles tentará, por outro lado, ressaltar que foi o economista escalado tanto por Lula quanto por Michel Temer para postos-chave em momentos delicados da economia. Aliado apenas ao nanico PHS, o ex-ministro terá como vice o ex-governador do Rio Grande do Sul Germano Rigotto (MDB), de 68 anos.

Guilherme Boulos (PSOL)


O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, 36 anos, mantém a tradição do PSOL em lançar candidatos à Presidência da República desde que o partido foi criado, em 2004, a partir de dissidências do PT. Antes dele, concorreram pela legenda Heloísa Helena, em 2006, Plínio de Arruda Sampaio, em 2010, e Luciana Genro, em 2014.
Com 1% na pesquisa VEJA/Ideia Big Data, Boulos entra na disputa com uma chapa puro-sangue psolista e tem a líder indígena Sônia Guajajara, 44 anos, como vice.

Os nanicos

No pelotão de nanicos da eleição presidencial de 2018 estão o sempre presente José Maria Eymael (Democracia Cristã), candidato em 1998, 2006, 2010 e 2014; o deputado federal Cabo Daciolo (Patriota); o ex-banqueiro João Amoêdo (Novo); o escritor João Goulart Filho (PPL), filho do ex-presidente João Goulart; e Vera (PSTU).