segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Flávio Dino anuncia Zé Reinaldo para a Secretaria de Minas e Energia...


O Governador do Estado do Maranhão Eleito, Flávio Dino anunciou na tarde desta segunda-feira (24) em uma conta nas redes sociais, mais seis nomes que vão fazer parte da equipe que vai administrar o estado a partir de 2015.
 
José Reinaldo Tavares foi anunciado para a Secretaria de Minas e Energia, além dele mais outros cinco nomes foram divulgados. O advogado Paulo Guilherme Araújo assumirá a Comissão Central de Licitação, o empresário Sérgio Sombra será o presidente da Junta Comercial do Estado do Maranhão (Jucema) e Karla Trindade será chefe da Assessoria Especial do governador.

 Delma Andrade para a Secretaria de Turismo, Tatiana Pereira para o comando da pasta da Juventude. e José Reinaldo Tavares para a Secretaria de Minas e Energia.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Dia da Bandeira

No dia 19 de novembro comemora-se o Dia da Bandeira do Brasil, essa comemoração passou a fazer parte da história do país após a Proclamação da República, no ano de 1889. Com o fim do período Imperial (1822-1889), a bandeira desenhada por Jean Baptiste Debret, que representava o império, foi substituída pelo desenho de Décio Vilares.
A substituição da bandeira imperial por uma bandeira republicana representa as mudanças que o Brasil passava naquele momento: mudanças na forma de governo e de governar, do regime imperial para uma república federativa. Além disso, a nova bandeira representava a simbologia que estava agregada ao republicanismo, como a ideia de um Estado-nação, o patriotismo e o surgimento do sentimento nacionalista, ou seja, a construção identitária do povo brasileiro, a identidade nacional.
As bandeiras não são restritas a serem simbologias somente do Estado-nação, ou de algum país, mas existem bandeiras que representam diversas regiões que integram o país e diferentes instituições e esferas sociais. Existem bandeiras que simbolizam times de futebol, torcidas organizadas, cidades, Estados, instituições religiosas e governamentais como cidades, exército, além das instituições comerciais, bandeira de uma empresa.
Temos notícias de que as primeiras bandeiras foram visualizadas na antiguidade, eram utilizadas nos exércitos como meio de reconhecimento entre os diversos soldados. Atualmente, no mundo contemporâneo, todo Estado-nação possui uma bandeira nacional que representa e dá unidade à nação, ou seja, unifica diferentes povos. Dessa maneira, a instituição da comemoração do dia da bandeira acrescentou mais um elemento simbólico na construção da identidade nacional.
Leandro Carvalho
Mestre em História

Dia da Bandeira

No dia 19 de novembro comemora-se o Dia da Bandeira do Brasil, essa comemoração passou a fazer parte da história do país após a Proclamação da República, no ano de 1889. Com o fim do período Imperial (1822-1889), a bandeira desenhada por Jean Baptiste Debret, que representava o império, foi substituída pelo desenho de Décio Vilares.
A substituição da bandeira imperial por uma bandeira republicana representa as mudanças que o Brasil passava naquele momento: mudanças na forma de governo e de governar, do regime imperial para uma república federativa. Além disso, a nova bandeira representava a simbologia que estava agregada ao republicanismo, como a ideia de um Estado-nação, o patriotismo e o surgimento do sentimento nacionalista, ou seja, a construção identitária do povo brasileiro, a identidade nacional.
As bandeiras não são restritas a serem simbologias somente do Estado-nação, ou de algum país, mas existem bandeiras que representam diversas regiões que integram o país e diferentes instituições e esferas sociais. Existem bandeiras que simbolizam times de futebol, torcidas organizadas, cidades, Estados, instituições religiosas e governamentais como cidades, exército, além das instituições comerciais, bandeira de uma empresa.
Temos notícias de que as primeiras bandeiras foram visualizadas na antiguidade, eram utilizadas nos exércitos como meio de reconhecimento entre os diversos soldados. Atualmente, no mundo contemporâneo, todo Estado-nação possui uma bandeira nacional que representa e dá unidade à nação, ou seja, unifica diferentes povos. Dessa maneira, a instituição da comemoração do dia da bandeira acrescentou mais um elemento simbólico na construção da identidade nacional.
Leandro Carvalho
Mestre em História

Dia da Bandeira

No dia 19 de novembro comemora-se o Dia da Bandeira do Brasil, essa comemoração passou a fazer parte da história do país após a Proclamação da República, no ano de 1889. Com o fim do período Imperial (1822-1889), a bandeira desenhada por Jean Baptiste Debret, que representava o império, foi substituída pelo desenho de Décio Vilares.
A substituição da bandeira imperial por uma bandeira republicana representa as mudanças que o Brasil passava naquele momento: mudanças na forma de governo e de governar, do regime imperial para uma república federativa. Além disso, a nova bandeira representava a simbologia que estava agregada ao republicanismo, como a ideia de um Estado-nação, o patriotismo e o surgimento do sentimento nacionalista, ou seja, a construção identitária do povo brasileiro, a identidade nacional.
As bandeiras não são restritas a serem simbologias somente do Estado-nação, ou de algum país, mas existem bandeiras que representam diversas regiões que integram o país e diferentes instituições e esferas sociais. Existem bandeiras que simbolizam times de futebol, torcidas organizadas, cidades, Estados, instituições religiosas e governamentais como cidades, exército, além das instituições comerciais, bandeira de uma empresa.
Temos notícias de que as primeiras bandeiras foram visualizadas na antiguidade, eram utilizadas nos exércitos como meio de reconhecimento entre os diversos soldados. Atualmente, no mundo contemporâneo, todo Estado-nação possui uma bandeira nacional que representa e dá unidade à nação, ou seja, unifica diferentes povos. Dessa maneira, a instituição da comemoração do dia da bandeira acrescentou mais um elemento simbólico na construção da identidade nacional.
Leandro Carvalho
Mestre em História

Dia da Bandeira

No dia 19 de novembro comemora-se o Dia da Bandeira do Brasil, essa comemoração passou a fazer parte da história do país após a Proclamação da República, no ano de 1889. Com o fim do período Imperial (1822-1889), a bandeira desenhada por Jean Baptiste Debret, que representava o império, foi substituída pelo desenho de Décio Vilares.
A substituição da bandeira imperial por uma bandeira republicana representa as mudanças que o Brasil passava naquele momento: mudanças na forma de governo e de governar, do regime imperial para uma república federativa. Além disso, a nova bandeira representava a simbologia que estava agregada ao republicanismo, como a ideia de um Estado-nação, o patriotismo e o surgimento do sentimento nacionalista, ou seja, a construção identitária do povo brasileiro, a identidade nacional.
As bandeiras não são restritas a serem simbologias somente do Estado-nação, ou de algum país, mas existem bandeiras que representam diversas regiões que integram o país e diferentes instituições e esferas sociais. Existem bandeiras que simbolizam times de futebol, torcidas organizadas, cidades, Estados, instituições religiosas e governamentais como cidades, exército, além das instituições comerciais, bandeira de uma empresa.
Temos notícias de que as primeiras bandeiras foram visualizadas na antiguidade, eram utilizadas nos exércitos como meio de reconhecimento entre os diversos soldados. Atualmente, no mundo contemporâneo, todo Estado-nação possui uma bandeira nacional que representa e dá unidade à nação, ou seja, unifica diferentes povos. Dessa maneira, a instituição da comemoração do dia da bandeira acrescentou mais um elemento simbólico na construção da identidade nacional.
Leandro Carvalho
Mestre em História

Dia da Bandeira

No dia 19 de novembro comemora-se o Dia da Bandeira do Brasil, essa comemoração passou a fazer parte da história do país após a Proclamação da República, no ano de 1889. Com o fim do período Imperial (1822-1889), a bandeira desenhada por Jean Baptiste Debret, que representava o império, foi substituída pelo desenho de Décio Vilares.
A substituição da bandeira imperial por uma bandeira republicana representa as mudanças que o Brasil passava naquele momento: mudanças na forma de governo e de governar, do regime imperial para uma república federativa. Além disso, a nova bandeira representava a simbologia que estava agregada ao republicanismo, como a ideia de um Estado-nação, o patriotismo e o surgimento do sentimento nacionalista, ou seja, a construção identitária do povo brasileiro, a identidade nacional.
As bandeiras não são restritas a serem simbologias somente do Estado-nação, ou de algum país, mas existem bandeiras que representam diversas regiões que integram o país e diferentes instituições e esferas sociais. Existem bandeiras que simbolizam times de futebol, torcidas organizadas, cidades, Estados, instituições religiosas e governamentais como cidades, exército, além das instituições comerciais, bandeira de uma empresa.
Temos notícias de que as primeiras bandeiras foram visualizadas na antiguidade, eram utilizadas nos exércitos como meio de reconhecimento entre os diversos soldados. Atualmente, no mundo contemporâneo, todo Estado-nação possui uma bandeira nacional que representa e dá unidade à nação, ou seja, unifica diferentes povos. Dessa maneira, a instituição da comemoração do dia da bandeira acrescentou mais um elemento simbólico na construção da identidade nacional.
Leandro Carvalho
Mestre em História

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Uma justa homenagem

Terminada as eleições e a vitória de Flávio Dino ao governo e Roberto Rocha para o senado no último dia 5 de outubro, é preciso reconhecer o excelente trabalho da assessoria de comunicação dos dois candidatos.
531755_436306259771581_985015812_n
Maria do Carmo, assessora do senador eleito Roberto Rocha
Em especial, o editor do blog homenageia, de forma humilde e singela, as jornalistas Aline Louise, em nome da equipe de Flávio, e Maria do Carmo, pelo lado de Roberto Rocha. As duas comunicadoras realizaram um excelente trabalho na campanha, em destaque o bom relacionamento com a imprensa.
Muito competente, aprazível e esforçada, Maria do Carmo mudou o quadro e deu uma dinamizada no setor de comunicação da campanha de Roberto Rocha.
As ações do agora senador passaram, com a entrada de Maria, a ter muito mais publicidade e destaque na mídia, o que, sem dúvida, contribuiu para a vitória de Roberto Rocha.
Entre as virtudes de Maria do Carmo, além de sua seriedade e retidão, vale enfatizar o bom trato, educação e tranquilidade no trato. Sua simpatia contagia, o que facilitou sobremaneira o trabalho dos profissionais que se engajaram na campanha de Rocha. Sem falar das outras atividades de Maria na campanha onde, com muito empenho e ousadia, conseguiu exercer todas com excelência.
223727_2274075897223_3670754_n
Aline Louise, assessora do governador eleito Flávio Dino
Já a jornalista Aline Louise também não fica atrás. Além de ser uma excelente profissional, séria, correta, a assessora de Flávio Dino é uma pessoa do bem, de bom caráter.
Inteligente, palatável, comportamento simples, adepta do diálogo agradável, da boa convivência e acima de tudo proativa, atributos que não podem faltar para quem trabalha na área de comunicação, muito do sucesso da campanha dinista na guerra de comunicação vencida contra o império do grupo Sarney está relacionado ao trabalho de Louise, bem como de toda a equipe de Flávio. Foram incansáveis e trabalharam em sintonia com os colaboradores. O ótimo relacionamento foi a marca.
Portanto, fica a homenagem justa de nossa parte a essas duas profissionais que valorosamente colaboraram com grande esforço e dedicação e cumpriram papel importante para o êxito da oposição e a derrota da oligarquia Sarney no Maranhão. Valeu Aline e Maria!!!
Do: Jonh Cutrim

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

YOUSSEF ENTREGA PROVAS SOBRE POLÍTICOS QUE CITOU

Além de entregar comparsas no governo e no Congresso Nacional, o megadoleiro Alberto Youssef também está mostrando à Polícia e ao Ministério Público Federal todas as provas documentais que acumulou e deixou em mãos de pessoas de sua confiança. Ele promete revelar os bens usados pelo esquema do Petrolão para presentear corruptos, além dos números das contas do desses políticos em paraísos fiscais.


Efeito Dilma!!! a verdade mostrada nos numeros...

Bolsa despenca e dólar decola após reeleição de Dilma Rousseff
Após a reeleição da presidenta Dilma, a bolsa de valores de São Paulo opera em forte queda e o dólar em alta. O Ibovespa cai 3,31% neste momento operando em 50.222 pontos e o dólar apresenta alta de 3,17%, sendo negociado a R$ 2,53.
Às 10h40, o índice à vista recuava 5,52%, aos 49.074,30 pontos, sendo que a Bolsa só saiu do leilão inicial depois de cerca de 20 minutos de pregão. As perdas são conduzidas pelos papéis de empresas ligadas ao governo: Petrobras ON (-12,23%), Petrobras PN (-12,15%), Banco do Brasil ON (-9,51%), Eletrobras PNB (-11,05%) e Eletrobras ON (-13,32%).
Grandes bancos privados também acompanham o movimento, como Itaú Unibanco PN (-6,79%) e Bradesco PN (-7,31%). Ainda no setor financeiro, BM&FBovespa registra perdas de 10,23%. As elétricas, grupo que, na visão de analistas, foi o mais penalizado por medidas do governo Dilma, também recuam em bloco nesta primeira sessão após a vitória da petista.
Concluída a eleição, a maior expectativa do mercado agora é sobre a nova equipe econômica e, principalmente, sobre quem substituirá o ministro Guido Mantega na Fazenda neste segundo mandato da presidente, que sinalizou no domingo, 26, estar disposta ao diálogo.
O estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno, acredita que os mercados se manterão pressionados até que Dilma comece a dar diretrizes para o novo governo. Para ele, a sinalização de um nome para a Fazenda ou quais serão os caminhos da política econômica no segundo mandato acalmariam os mercados e diminuiriam a volatilidade que deve ser enfrentada nos próximos dias. Para Luiz Gonzaga Belluzzo, ex-secretário de Política Econômica, o novo mandato de Dilma será de um governo de negociação que escutará mais os agentes econômicos.
Em Nova York, os American Depositay Receipts (ADRs, recibos que representam ações) da Petrobras estatal recuavam mais de 12,0%, há pouco. Também em queda, embora em um ritmo mais leve, os papéis da Vale perdiam mais de 3,0%. Na Europa, os recibos de ações da estatal registram forte desvalorização, com queda de mais de 8,0%, há pouco, em Frankfurt. Na Bolsa de Madri, os negócios indicam queda de mais 10,15% para recibos de Petrobras ON. (Ana Luísa Westphalen/AE)

sábado, 25 de outubro de 2014

CNT: AÉCIO ESTÁ NUMERICAMENTE À FRENTE DE DILMA

Tucano abre 6,4 pontos percentuais de vantagem sobre a petista.
Tucano tem vantagem numérica sobre a petista, diz pesquisa
Às vésperas das eleições, pesquisa CNT/MDA divulgada neste sábado, 25, traz o candidato à Presidência da República pelo PSDB, Aécio Neves, à frente da candidata à reeleição pelo PT, Dilma Rousseff. A vantagem é numérica, o que indica empate técnico. De acordo com o levantamento, o tucano tem 50,3% das intenções de votos válidos contra 49,7% da petista. Na última pesquisa CNT/MDA, divulgada no dia 20 de outubro, Dilma aparecia com 50,5% dos votos válidos, contra 49,5% de Aécio.
A intenção de votos espontânea também mostra os candidatos empatados tecnicamente. Aécio tem 44,4% dos votos e Dilma, 43,3%. Na pesquisa estimulada os números vão a 45,3% para o tucano e 44,7% para a candidata à reeleição.
Rejeição
A sondagem mostra que 43,3% dos entrevistados não votaria em Dilma de jeito nenhum enquanto, no caso de Aécio, 42,8% não votariam de jeito nenhum no tucano. No levantamento anterior, 41% não votariam em Aécio e 40,7% não votariam em Dilma.
A pesquisa foi realizada entre os dias 23 e 24 de outubro e está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-01199/2014. Foram entrevistadas 2.002 pessoas em 137 municípios e a margem de erro é de 2,2 pontos percentuais.