OBRAS MAIS ASFALTO

OBRAS MAIS ASFALTO

domingo, 2 de julho de 2017

A tropa de choque maranhense de Temer no Senado

A bancada maranhense no Senado vem tomando a frente da árdua e impopular tarefa de tentar salvar o governo do presidente Michel Temer (PMDB), formalmente denunciado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) pelo crime de corrupção passiva e investigado no Supremo Tribunal Federal (STF) por obstrução de justiça e participação em organização criminosa. Roberto Rocha (PSB), João Alberto (PMDB) e Edison Lobão (PMDB) exercem papeis decisivos no articulado joguete político que tenta livrar Temer, o primeiro presidente da história do país denunciado por corrupção durante o exercício do cargo.
O senador Roberto Rocha será o relator da indicação da subprocuradora-geral da República, Raquel Dodge, para substituir Rodrigo Janot à frente do Ministério Público Federal. A relatoria foi dada a Rocha pelo seu colega, o senador Edison Lobão, que preside a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. Dodge, por sua vez, foi indicada por Temer para a PGR, apesar de ter sido a segunda mais votada na lista tríplice que preferiu o nome de Nicolao Dino para a função. Nicolao Dino é aliado de Janot, que é a favor da cassação do mandato do presidente.
Apesar de seu partido, o PSB, ter decidido abandonar o governo Temer em meio à crise, Roberto Rocha é reconhecido como um cego apoiador de Temer. A escolha do parlamentar para a relatoria pode ser essencial para a manutenção do presidente, já que Raquel Dodge é mais próxima de Temer e pode frear as denúncias contra o presidente.
Já o senador Edison Lobão – alvo de seis inquéritos no STF relacionados a esquemas de corrupção apurados pela Operação Lava Jato – tenta agilizar na CCJ o processo de indicação de Dodge para o cargo de Procuradora-Geral da República. Lobão corre para que a subprocuradora assuma antes mesmo de Janot sair do cargo, o que deve ocorrer em setembro deste ano. Com Raquel Dodge à frente do Ministério Público Federal acredita-se que as denúncias de Janot contra Temer podem ficar esvaziadas.
João Alberto atua em outra linha. Ele é o presidente do Conselho de Ética do Senado, tendo sido o responsável pelo arquivamento do processo que pedia a cassação do senador Aécio Neves (PSDB-MG), assim como Temer, citado na delação premiada do empresário Joesley Batista, do grupo JBS. Após o arquivamento do pedido de cassação de Aécio, o STF decidiu devolver o mandato ao psdebista. A volta de Aécio ao Senado pode favorecer Temer. O político mineiro deve atuar para garantir o apoio dos tucanos a Temer.
Dois elementos interligam os três senadores maranhenses: as orientações que vêm sendo dadas pelo ex-presidente José Sarney para conter a crise em torno de Temer e o desejo de manter o pmdebista na Presidência até o final do mandato, em 2018. Com Temer na Presidência ficaria mais fácil usar a máquina federal como “apoio” na campanha de aliados durante as eleições do próximo ano.
Essa perspectiva seria fundamental para Roberto Rocha, que já anunciou que disputará o governo do Maranhão, mas que até agora aparece em pesquisas de intenção de voto como um nome esquecido e solitário (com menos de 7% dos votos) entre os possíveis candidatos a chefe do Poder Executivo Estadual.

Nenhum comentário: