ANTES NÃO TINHA

ANTES NÃO TINHA

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Flávio Dino participa da abertura do 5º Congresso do Ministério Público do Maranhão



O diálogo entre o Governo do Estado e a comunidade jurídica foi um dos temas abordado pelo governador Flávio Dino na abertura do 5º Congresso Estadual do Ministério Público do Maranhão, nesta quinta-feira (10). A independência e a harmonia entre os poderes Legislativo, Executivo e Judiciário foi uma das pautas que norteou o debate entre procuradores, promotores e advogados presentes.

Na abertura do Congresso, Flávio Dino discorreu sobre o novo Código de Processo Civil como uma lei inovadora, com múltiplos desafios e que aponta a direção correta em busca da celeridade e do funcionamento efetivo da justiça. “A sociedade precisa de uma justiça presente, atuante e eficiente. Acredito que o diálogo entre o Governo e a comunidade jurídica trará mais justiça, mais direitos e o funcionamento mais adequado das instituições”, disse Dino.

Com o tema ‘O Ministério Público em Movimento: reavaliando e transformando ações’, o 5º Congresso Estadual do Ministério Público do Maranhão debaterá assuntos como, Corrupção e Transparência, Negociação e mediação de conflitos, Pornografia infantil na internet, Violência Doméstica e Segurança Pública.

Durante o primeiro dia do evento, o governador Flávio Dino recebeu a medalha de ordem ao mérito da Associação do Ministério Público do Maranhão (Ampem). O evento também foi acompanhado pelos secretários estaduais Marcelo Tavares (Casa Civil), Rodrigo Lago (Transparência e Controle) e Abelardo Baluz (subsecretário Casa Civil).


Várias autoridades do Poder Judiciário estiveram presentes na abertura do Congresso do Ministério Público, incluindo a procuradora-geral de Justiça do Ministério Público do Maranhão, Regina Lúcia Rocha; a diretora da Escola Superior do Ministério Público, Ana Teresa de Freitas; o presidente da Associação do Ministério Público do Maranhão, José Augusto Cutrim; além de procuradores, promotores, defensores, ouvidores e auditores. 

Nenhum comentário: