quarta-feira, 8 de julho de 2015

Programa Nacional de Controle da Tuberculose é avaliado no Maranhão

O Ministério da Saúde (MS) iniciou, no Maranhão, visitas de monitoramento e avaliação aos municípios prioritários no controle da tuberculose, que é a 4ª causa de mortes por doenças infecciosas no Brasil, e 1ª causa de mortes dos pacientes com AIDS.

Com base nos valores alcançados para indicadores selecionados do Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde (Coap), o MS seleciona estados para direcionar a redução dos riscos e agravos à saúde da população, por meio das ações de promoção e vigilância em saúde.

O Maranhão está entre os nove estados selecionados para o desenvolvimento de ações específicas para diminuição das taxas de incidência de casos novos de tuberculose. Em 2014, foram notificados 2.162 casos no estado, tendo uma taxa de incidência de casos novos de 26,3 por 100 mil habitantes e uma taxa de mortalidade de 2,1 por 100 mil habitantes.

Uma equipe com oito técnicos da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS), do MS, está em São Luís para um intercâmbio com os técnicos da Secretaria de Estado da Saúde (SES) e das secretarias municipais. A programação começou nesta terça-feira (7) e prossegue até sexta-feira (10), com a realização de atividades que incluem o monitoramento, reuniões com gestores municipais e estaduais para discussão de pontos estratégicos para controle da doença, reuniões direcionadas às populações vulneráveis, visita técnica ao hospital de referência Presidente Vargas e ao Sistema Penitenciário de Pedrinhas.

Na tarde desta terça-feira (7), aconteceu a abertura oficial da programação, no auditório do Laboratório Central de Saúde Pública do Maranhão (Lacen/MA), no bairro Diamante, em São Luís. Foi apresentada a situação dos Programas de Controle da Tuberculose, em instância nacional (PNCT), estadual (PECT), e municipal (PMCT).

Os municípios de São Luís, Paço do Lumiar, São José de Ribamar, Codó, Timon, Pindaré-Mirim, Santa Inês, Caxias, Açailândia, Imperatriz e Pinheiro estão na lista de prioridades. Os coordenadores municipais de Atenção Básica e do PMCT participarão de toda a programação.

Segundo a superintendente de Epidemiologia e Controle de Doenças da SES, Lea Márcia Costa, o índice de tuberculose ainda é alto, principalmente em São Luís. Segundo ele, em função disto, o governo Flávio Dino, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES) tem tratado como prioridade a realização de intervenções para conseguir diminuir a incidência de novos casos e o abandono do tratamento da doença por parte dos pacientes.

“O impacto que os números da capital têm sobre o total do estado é muito grande. Para se ter uma ideia, quando retiramos São Luís das estatísticas de cura no Maranhão o índice passa de 80%. Através da visita do MS queremos observar as sugestões deles, com uma percepção mais ampla, para melhorar nossos indicadores”, afirma Lea Márcia.

A coordenadora do PMCT de São Luís, Cláudia Ribeiro, explica que várias medidas têm sido efetivadas para combater a doença. “Temos descentralizado os serviços, pois 60% dos diagnósticos são feitos em Hospitais de Referência. Hoje, contamos com 56 unidades desenvolvendo diagnósticos, tratamento e acompanhamento dos casos. A visita do ministério vem somar com o que temos feito, pois eles podem visualizar outras estratégias que ainda não tem sido praticada”, ressaltou a coordenadora.

Após observar o que é feito pelo PECT, o MS fará um levantamento dos aspectos que o programa precisa avançar e entregará um relatório para ao secretário de Saúde do Estado, Marcos Pacheco.


“Os municípios selecionados são expressivos em número de casos. Por isso a importância da participação de cada um na discussão de como o PECT tem sido colocado em prática nessas localidades, e como as ações são desenvolvidas”, garante a coordenadora do Programa Estadual de Tuberculose, Rosany Leandra Carvalho.  

Nenhum comentário: