ANTES NÃO TINHA

ANTES NÃO TINHA

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

PV pode ficar fora da coligação ‘Pra frente Maranhão’

A chapa de deputados federais do Partido Verde (PV) pode ser esvaziada caso Tribunal Regional Eleitoral e o Tribunal Superior Eleitoral não reconheçam adesão da legenda à Coligação “Pra Frente Maranhão 1″. A ação partiu de uma representação do candidato a deputado federal Márcio Jardim (PT), que é um dos opositores ferrenhos aos integrantes do Partido Verde no Maranhão.
Márcio Jardim já havia pedido na Justiça o não reconhecimento da participação do PV na coligação. A Justiça Eleitoral indeferiu o pedido e o petista recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), argumentando que a coligação fora conduzida de forma arbitrária, a partir de uma mudança de ata feita logo após do prazo estipulado.
Victor Mendes
Victor Mendes
O TSE determinou que o TRE julgue agora o mérito da ação, ou seja, julgar primeiro a mudança de ata, para posteriormente analisar a questão da coligação.
O candidato a deputado estadual Adriano Sarney (PV) garante estar bastante tranquilo. “Está tudo em ordem, estamos bastante tranquilos quanto ao julgamento do mérito. Temos certeza que iremos ganhar”, ressaltou.
Adriano Sarney também destacou que o processo não contém argumentos sólidos para ser julgado procedente. “Os argumentos não convencem. Nós fizemos a coligação dentro da legalidade e não há o que questionar. Temos provas escritas e filmagens que comprovam tudo”,disse.
O candidato a deputado estadual classificou a tentativa de derrubada da coligação como um ato político. “Existe uma desavença política, mas não existem argumentos suficientes para comprovarem as acusações. Por isso continuamos tranquilos em relação às questões”,garantiu.
Apesar da tranquilidade do candidato filho do presidente do Partido Verde no Maranhão, o deputado federal Sarney Filho, candidato à reeleição, alguns membros encontram-se descontentes com a possibilidade de dissolução da participação do partido na chapa.
Um desses exemplos é o deputado estadual Victor Mendes (PV), que esse ano decidiu concorrer ao cargo de deputado federal. No chapão oposicionista, o ex-secretário do Meio Ambiente tem chances de ser eleito, caso o PV fique sozinho suas chances são quase nulas. Diante desta situação, o parlamentar pode até pensar na possibilidade de renunciar sua candidatura.
No entanto, Victor disse que se manterá na disputa. “Não tenho outra opção, sei que a decisão da permanência do PV no chapão ou não, só sai depois da eleição, por isso tenho que ir para disputa e esperar os acontecimentos”, disse.
A chance de eleição três candidatos a deputados federais registrados pelo PV diminui em razão da redução do número de parlamentares eleitos pela legenda. Uma possível saída do PV do “chapão” (PMDB / DEM / PTB /PV / PRB / PR) implicaria em novos cálculos eleitorais que desagradariam a todos os candidatos, podendo representar até mesmo um fracasso no pleito. Isso também ocorreria na disputa para deputado.
(Com informações do Imparcial)

Nenhum comentário: