ANTES NÃO TINHA

ANTES NÃO TINHA

quinta-feira, 31 de julho de 2014

COMEÇOU A DEBANDADA:DEPUTADO ZÉ CARLOS PODERÁ SEGUIR A CAMPANHA AO LADO DE FLÁVIO DINO


Deputado petista Zé Carlos, começou a arrumar as malas para desembarcar na campanha oposicionista.
Deputado petista Zé Carlos, começou a arrumar as malas para desembarcar na campanha oposicionista.


No último dia 26 de julho,  Américo de Sousa anunciou apoio à candidatura de Flávio Dino. Américo é um conhecido petista do chamado campo majoritário do PT, cujo grupo que levou o tempo de TV  do partido para candidatura de Lobão Filho.
Candidato a deputado estadual na região de Coelho Neto, Américo de Sousa é o primeiro a pular a porteira que separa o PT governista, da chamada  resistência petista, o  núcleo da legenda que jamais aceitou a aliança formal com o PMDB do consórcio Sarney-Lobão-Murad.
No rastro de Américo Sousa, outros petistas do campo majoritário já se preparam para aterrissar na Frente “Todos Pelo Maranhão”. Nos bastidores, comenta-se que o deputado Estadual Zé Carlos pode anunciar a qualquer momento o apoio à candidatura de Flávio Dino. Lideranças petistas do campo majoritário na região dos Cocais devem fazer o mesmo.
Gil Cutrim, aliado do candidato governista, articulou pessoalmente a composição de chapa com Hernando Macedo, um dos principais coordenadores da campanha de Flávio Dino.
Gil Cutrim, aliado do candidato governista, articulou pessoalmente a composição de chapa com Hernando Macedo, um dos principais coordenadores da campanha de Flávio Dino.
Eleito em chapa única para presidência  da federação dos municípios do Maranhão – FAMEM, Gil Cutrim –  prefeito aliado da candidatura de Lobão Filho –   costurou a entrega do cargo de vice-presidente para o prefeito de Dom Pedro, Hernando Macedo, que é do PCdoB e um dos principais coordenadores da campanha de Flávio Dino.  Em política, nenhum gesto ocorre por acaso. Precisa dizer mais alguma coisa?
Na semana passada escrevi um post sobre o papel dos prefeitos na eleição deste ano. Defendi que, pressionados e ameaçados pelo governo do Estado e com dificuldades financeiras para administrar, a maior parte dos gestores que se vê  obrigada a apoiar publicamente o candidato oficial do governismo, faz na verdade um jogo duplo que deverá se estender até os últimos instantes anteriores a eleição, quando eles certamente deverão desembarcar na candidatura que agrega maior expectativa de poder.
Mas, em política, como diz o ditado, quem chega primeiro bebe água limpa. De olho nessa máxima, políticos de todas as regiões começam a fazer a complexa manobra de engenharia política com vistas a uma reposição no jogo eleitoral, muito antes do que era esperado.
Só não vê quem não quer.

Nenhum comentário: