quinta-feira, 1 de junho de 2017

Coronel PM que agrediu namorada soldada vai responder a IPM

O coronel da Polícia Militar do Maranhão, Marco Antônio Terra Schutz, vai responder a um Inquérito Policial Militar (IPM) por ter agredido, na madrugada desta quinta (1) sua namorada, a soldada Alexandra /17, fora e dentro do quartel do comando da PM, no Calhau.
Segundo disse a O INFORMANTE o coronel Jorge Guerra Luongo, subcomandante da PM maranhense, o inquérito será presidido pelo coronel Pedro Ribeiro.
De acordo com Luongo, o coronel Terra Schutz, que é gaúcho, e a soldada Alexandra mantêm um relacionamento extraconjugal tumultuado, e, após uma duas novas brigas, por volta de 2h e 2h30 desta madrugada, próximo ao retorno do Calhau e na praia do Olho d’Água, o coronel e Alexandra se dirigiram ao quartel e lá, em nova discussão, o oficial fez um disparo para o alto e desferiu “dois tapas no rosto” da namorada. O entrevero foi presenciado por policiais militares que estavam de plantão no quartel.
A soldada Alexandra concluiu depoimento, agora há pouco, na Delegacia da Mulher, e o coronel Terra Schtz, que se encontrava em estado de embriaguez alcoólica, foi para casa e deve se apresentar no quartel na tarde desta quinta.
Terra Schultz é comandante do Policiamento de Área do Interior (Bacabal e Pedreira). A soldada Alexandra trabalha administrativamente no Comando de Policiamento do Interior.
O coronel Terra é casado e está momentaneamente separado da esposa, morando há cerca de 15 dias no quartel do Calhau.
Antes dos incidentes com a soldada, ele estava assistindo a um jogo de futebol com o filho, pela televisão, na casa da ex-mulher, onde ingeriu bebida alcoólica. Terminado o futebol, fez contato com a soldada e a apanhou em uma pousada nas proximidades do Coco Bambu, no Calhau.
Como estavam em dois carros, deixaram o veículo dela no comando geral e saíram no dele. Pouco depois, já fora do quartel, tiveram a primeira discussão, ainda na área do Calhau. De lá seguiram para a praia do Olho D Água, onde voltaram a discutir mais acirradamente.
O coronel deixou a soldada e rumou para o quartel, onde estava residindo. Com apoio de um militar que a encontrou, ela também se dirigiu ao comando geral, onde houve a terceira confusão com o disparo para o alto e os dois tapas na vítima.

No exames feitos no coronel Terra foram constatadas marcas de unha no pescoço.

Nenhum comentário: