domingo, 27 de dezembro de 2015

Celebração ecumênica sela parceria entre Caema e Arquidiocese de São Luís



A Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema), em parceria com a Arquidiocese de São Luís, realizou uma cerimônia Natalina, que incluiu um culto, e, em seguida, uma missa. O evento marcou a adesão do órgão à Campanha da Fraternidade 2016, que nesta edição debaterá o tema “Casa Comum, Nossa Responsabilidade”, como lema “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca”.
A celebração natalina ocorreu na sede da Caema, no Centro de São Luís, com culto evangélico ministrado pelo Pastor Hamilton Rocha, representante da Igreja Batista do Calhau. Em seguida, uma missa foi celebrada pelo Arcebispo Dom Belisário da Arquidiocese de São Luís.
Para Dom Belisário, o encontro marcou um novo momento para a geração de oportunidades de mais qualidade de vida aos maranhenses. Já o diretor- presidente da Caema, Davi Telles, destacou a importância daquele momento por “estar junto desses guerreiros da nossa Caema, que fazem tanto esforço diário pra que ela continue existindo porque entendem o saneamento como fundamental”, avaliou.
Telles ressaltou que o Governo tem feito um esforço muito grande para priorizar o saneamento que, oportunamente, neste ano, coincide com a Campanha da Fraternidade. “Em 2015 e 2016 o governador Flávio Dino determinou um orçamento para investir em abastecimento de água nos Programas Água para Todos e no Mais Saneamento. Isso é uma revolução. Nunca foi investido, nos últimos 30 anos, uma quantia desta”.
A atual gestão do Governo, preocupada com a desigualdade social, resolveu começar um trabalho pelos trinta municípios mais pobres do Maranhão. Dos 150 municípios pobres no Brasil, 30 estão no território maranhense. “E uma coisa que nos incomoda muito é que há várias escolas, casas sem saneamento, sem água. O governador determinou fazer 30 sistemas de abastecimento nestes 30 municípios mais pobres do Estado. Todos eles terão água potável, inclusive nas áreas rurais”, destacou Davi.
O presidente da Caema ressaltou a importância da campanha da fraternidade, e ainda falou de algumas características importantes e muito especiais para o atual momento.  “Primeiro por se tratar do saneamento inspirada em uma encíclica do Papa Francisco chamada de ‘Laudato si’, onde ele fala da imprescindibilidade do cuidado da nossa casa comum, da nossa natureza, do cuidado com as nossas águas, do cuidado com o mundo. Segundo lugar porque a campanha da fraternidade ecumênica acontece pela quinta vez depois de muito tempo, onde congrega diversas denominações cristãs, inclusive a Igreja Batista, da qual faz parte o pastor Hamilton. Por fim, porque a Campanha da fraternidade de 2016 tem uma parceria com a Alemanha, que é um país super desenvolvido na área do saneamento”, disse Telles.
O presidente da Caema disse aderir a Igreja Católica, e a todos aqueles que estão organizando a campanha. “No ano que vem a Companhia estará de corpo e alma aderente e participante da Campanha da Fraternidade Ecumênica de 2016”, informou.
Para o promotor do Meio Ambiente, Fernando Barreto, a água no mundo é fonte de conflito. Segundo ele, há guerra por água. “Falar em fraternidade é virar um pouco dessa história porque água é valor econômico, água leva desenvolvimento, por isso, ela gera conflito. A Campanha da Fraternidade falando de água torna-se essencial porque nós estamos há 5 anos em seca, nós maranhenses sentimos menos, aqui na capital sentimos menos, mas quem está lá no sertão sente muito mais. O desafio da água é universalizá-la, fazer com que ela volte as origens. Precisa-se garantir que o cidadão mais humilde tenha água e água tratada”, disse.

De acordo com Barreto, a grande missão é mostrar à população que trata-se o esgoto, trata-se a água não somente para ir à praia, mas para que cada cidadão tenha direito ao acesso a água. Para ele, a grande missão é popularizar, é fazer o cidadão comum entender que isto é um direito que ele tem.

Nenhum comentário: