ANTES NÃO TINHA

ANTES NÃO TINHA

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Polícia prende estuprador e assassino da menina Maísa Moreno


Maísa Moreno 
O autor do estupro e assassinado da menina Maísa Moreno da Silva foi preso na manhã desta quarta-feira(25). Ele foi identificado como ‘De Guiné” e está sendo transferido para São Luís.

A confissão de autoria do crime foi feita durante depoimento prestado na Delegacia de Itapecuru Mirim, para onde foi levado depois da quebradeira promovida por moradores de Urbano Santos, na tarde e noite de ontem, terça-feira(24). 

A ação de revolta da população foi iniciada depois que um locutor de rádio anunciou que cinco suspeitos de envolvimento no crime estavam sendo ouvidos na delegacia da cidade.

Depois de muito esforço, a polícia conseguiu resgatar as pessoas que estavam na delegacia. As cinco testemunhas foram levadas para a Delegacia de Itapecuru Mirim e prestaram depoimento na manhã de hoje. Entre elas, estava o assassino que terminou confessando a autoria do crime.

O Secretário de Segurança, Jefferson Portela, juntamente com o delegado Dicival, está em Urbano Santos para fazer um levantamento de toda a situação, depois dos ataques promovidos por parte da população que queria incendiar a delegacia e o fórum.

População em frente à delegacia de Urbano Santos
Segundo o secretário, cerca de 18 participantes dos ataques já estão identificados e alguns presos. Dentre eles, estão criminosos que talvez quisessem incendiar o fórum para destruir processos, achando que ficariam livres de prováveis condenações.


A confirmação da prisão do autor do assassinato da menina Maisa Moreno foi feita pelo secretário Jefferson Portela. O assassino deverá ser apresentado à imprensa na tarde de hoje no auditório da Secretaria de Segurança.
 

O crime
Maísa morreu após ter sido sequestrada e estuprada. Ela era de família evangélica e residia no povoado de Queimadas. Ela desapareceu de casa na noite de sábado (21), sendo encontrada na manhã de domingo (22), por volta das 9h45, por três crianças que procuravam castanha em um matagal.

Maísa estava em estado de choque, ensanguentada, com respiração fraca e com sinais de violência sexual por todo corpo. A garota ainda chegou a ser socorrida, mas, infelizmente, faleceu já no hospital de Urbano Santos.

Hematomas e marcas fortes no pescoço aumentavam os indícios de que a criança foi asfixiada e torturada após ter sido molestada.

Nenhum comentário: