OBRAS MAIS ASFALTO

OBRAS MAIS ASFALTO

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Efeito Dilma!!! a verdade mostrada nos numeros...

Bolsa despenca e dólar decola após reeleição de Dilma Rousseff
Após a reeleição da presidenta Dilma, a bolsa de valores de São Paulo opera em forte queda e o dólar em alta. O Ibovespa cai 3,31% neste momento operando em 50.222 pontos e o dólar apresenta alta de 3,17%, sendo negociado a R$ 2,53.
Às 10h40, o índice à vista recuava 5,52%, aos 49.074,30 pontos, sendo que a Bolsa só saiu do leilão inicial depois de cerca de 20 minutos de pregão. As perdas são conduzidas pelos papéis de empresas ligadas ao governo: Petrobras ON (-12,23%), Petrobras PN (-12,15%), Banco do Brasil ON (-9,51%), Eletrobras PNB (-11,05%) e Eletrobras ON (-13,32%).
Grandes bancos privados também acompanham o movimento, como Itaú Unibanco PN (-6,79%) e Bradesco PN (-7,31%). Ainda no setor financeiro, BM&FBovespa registra perdas de 10,23%. As elétricas, grupo que, na visão de analistas, foi o mais penalizado por medidas do governo Dilma, também recuam em bloco nesta primeira sessão após a vitória da petista.
Concluída a eleição, a maior expectativa do mercado agora é sobre a nova equipe econômica e, principalmente, sobre quem substituirá o ministro Guido Mantega na Fazenda neste segundo mandato da presidente, que sinalizou no domingo, 26, estar disposta ao diálogo.
O estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno, acredita que os mercados se manterão pressionados até que Dilma comece a dar diretrizes para o novo governo. Para ele, a sinalização de um nome para a Fazenda ou quais serão os caminhos da política econômica no segundo mandato acalmariam os mercados e diminuiriam a volatilidade que deve ser enfrentada nos próximos dias. Para Luiz Gonzaga Belluzzo, ex-secretário de Política Econômica, o novo mandato de Dilma será de um governo de negociação que escutará mais os agentes econômicos.
Em Nova York, os American Depositay Receipts (ADRs, recibos que representam ações) da Petrobras estatal recuavam mais de 12,0%, há pouco. Também em queda, embora em um ritmo mais leve, os papéis da Vale perdiam mais de 3,0%. Na Europa, os recibos de ações da estatal registram forte desvalorização, com queda de mais de 8,0%, há pouco, em Frankfurt. Na Bolsa de Madri, os negócios indicam queda de mais 10,15% para recibos de Petrobras ON. (Ana Luísa Westphalen/AE)

Nenhum comentário: