sábado, 20 de setembro de 2014

Momento de Reflexão do Eleitor


Caro amigo eleitor, teremos a partir de agora um momento de reflexão. Primeiramente nos perguntamos. Qual a força do nosso voto? Quais os requisitos que o candidato deve preencher para conquistá-lo? Temos mesmo como mudar o Brasil, só com o sufrágio? Ainda podemos confiar em nossos candidatos? Porque, ainda o dinheiro fala mais alto em uma campanha eleitoral, se a eleição tem de ser democrática? Podemos dizer que o povo, uma boa parte, não sabe votar? O voto de cabresto existe, ou se não, influência em uma eleição?
Perguntas estas, que serão respondidas a partir de agora:
O poder do voto é impressionante e inexplicável. Seu poder é tão valioso que atinge a sociedade de maneira tão confusa e tão desequilibrada, que chegamos ao ponto, nos cidadãos, de discutirmos sobre ele. Levamos essa discussão pra casa com a família, para as escolas, para com os amigos, entrando em assuntos que podem ser construtivos ou não para o Brasil. Será que é porque ele tem sua forma democrática que devemos amá-lo, ou odiá-lo!
Sabemos que existem vários tipos de candidatos, os que dão uma de bom moço, cuidando de você, de sua saúde, mas por trás do seu comportamento aparentemente correto, observamos outra roupagem outro ultraje em seu rostinho carismático e ao mesmo tempo maquiavélico, estampado em carros e outdoors. “Esses são os verdadeiros lobos vestidos em pele de cordeiro”.
Outros são os pára-quedistas ou forasteiros, caem do céu, em cima de você, com sacos e sacos de dinheiro para tentar manipular, enganar o povo em seu momento de fraqueza, desânimo, para com o descaso com nossa política. Chegam logo, com a maior cara de pau em nossa cidade sem nem ter um serviço prestado e vão logo chamando uns loucos por dinheiro para apoiá-los, oferecendo mil e fundos. Esses cabos eleitorais ou lideres, eram pelos para ter a consciência de dar um mínimo de satisfação ao eleitor; Qual a árvore genealógica do seu candidato? De onde veio? Quais suas propostas para a nossa cidade? Já tem algum serviço prestado a ela? Perguntas estas, que seu cabo eleitoral ou líder, acho que nem sabe responder.
Ou será que após eleição, eleito, evapora-se!
Desta forma, criamos ou simulamos nosso candidato, não ideal claro, mas perto de um cidadão com visão direcionada ao povo brasileiro.
Nós eleitores sabemos e temos a consciência que o sufrágio, o poder do voto supera qualquer coisa. Por isso, devemos sabê-lo usá-lo, com muita autoridade e cautela.
Nosso País passa por um total bombardeio de corrupção, noticias e noticias sendo diariamente mostradas nas mídias. Por tais fatos, corruptivos, que nos leva ainda a desacreditar em uns ou outros candidatos. Mas não devemos desanimar, temos um grande poder em nossas mãos, juntos somos invencíveis, e sim, podemos mudar a história do Brasil. Ocorre que ainda boa parte do eleitorado, ainda não sabe o poder que eles tem em mãos. Pessoas que só votam por algum retorno indireto ou direto. Um exemplo é de um caro amigo, que precisava de uma ajuda em uma eleição. Perguntaram-lhe: Queres 200 reais para adesiva seu carro e no dia da nossa carreata ainda ajudamos com o combustível. E se ganharmos seu emprego está garantido. E ele responde: Sim, mas tá certo mesmo! >>> Compadre é certo, pode confiar, seu emprego é certo. E ainda vou efetivá-lo. Após eleição, nem mel, nem cabaça. É a realidade de boa parte dos nossos políticos brasileiros.
E ainda tem o voto de cabresto! Que o eleitor é domado e humilhado, sem poder até mesmo dizer assim: Meu prefeito tem um candidato da minha família, posso votar nele? Se contestar já sabe!
cabresto pode ser usado de várias formas. Citarei algumas: Um empresário de nossa cidade foi proibido de estacionar seus carros de pequeno e grande porte em frente a sua empresa, este sendo questionado por tais autoridades de trânsito, disse-lhes que não tinha como não pará-los lá, por que tinha de carregar e descarregar seu material. Conversa vai e conversa vem e a autoridade, interroga-lhe: Você tem um murro enorme ai, gostaria de mandar pintar com o nome do nosso candidato? Posso sim, o empresário responde. E depois pergunta-lhe: Como fica os meus carros estacionados na avenida? A autoridade responde: Que carros!!!!!!  É meu povo, isso é a nossa política brasileira;;;
Ainda tem o cabresto do santinho, que o prefeito da cidade distribui para seus funcionários. Ele já vem tudo certinho, Dep. Estadual n°00000, Dep. Federal n° 0000, Senador n° 000, Governador n° 00, Presidente n° 00. É a maneira de manipular e casar o voto dos candidatos. Por isso, que se elege candidatos que você numa imaginava que tinha voto em sua Cidade.
Essas são algumas formas deste voto arcaico e desumano, que ainda faz parte da politicagem do nosso País.

É essa a política que devemos combater, não desistindo do Brasil, com nossa ideologia de mudança e esperança de um Brasil melhor.
Por: Marco Aurélio Soares

Nenhum comentário: