segunda-feira, 24 de julho de 2017

Investimento do Governo na agropecuária ajuda a criar empregos em Balsas e Campestre do Maranhão


Psicultura em Balsas, atividade que gera empregos na região. Foto: Gilson Teixeira/Secap
Com incentivos para expansão de setores estratégicos e estímulo às cadeias produtivas, logística e infraestrutura, o Governo do Maranhão vem desenvolvendo as vocações locais, que por sua vez geram mais empregos e oportunidades para os maranhenses. Os mais recentes dados sobre o mercado de trabalho refletem esse cenário.
Segundo dados do Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (Caged), foram 1.176 novas contratações em junho no setor agropecuário, com destaque para os municípios Campestre do Maranhão, com 498 novas vagas, e Balsas, com 136 postos formais, impulsionados pelo recorde da produção de grãos.
De acordo com o secretário de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima), Márcio Honaiser, uma das estratégias do Governo do Estado é verticalizar a cadeia de grãos – ou seja, dar conta de tudo o que é necessário para a produção. Isso se dá por meio de incentivos a piscicultura, avicultura e suinocultura, para gerar ainda mais emprego e renda em Balsas e nos municípios vizinhos.
“Sabemos que um dos principais vetores econômicos do estado é a agropecuária. Nosso objetivo é verticalizar esta produção, como parte de uma cadeia produtiva que transforma a proteína vegetal em animal. Já temos aqui a Nottaro (alimentos) e estamos buscando novos investimentos no setor agroindustrial”, diz Honaiser.
Honaiser também destacou a importância da atuação do governo para reduzir entraves burocráticos e estimular o avanço do setor produtivo maranhense: “Trabalhamos o tempo todo para facilitar a vida de quem produz, com foco nos marcos legais, desburocratizando processos e observando a legislação tributária. Criamos condições técnicas e legais para dar suporte ao crescimento da agropecuária no estado”.
Um exemplo da importância da desburocratização e da política tributária exercida pelo Governo do Maranhão para apoiar o setor é a mudança de paradigma na produção de frangos e derivados, com o Programa Mais Avicultura, coordenado pela Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Energia (Seinc).
Para o incremento da produção, o Governo do Maranhão promoveu ajuste tributário, aumentando a competitividade em relação a outros estados. O incentivo já garantiu investimentos em construção de abatedouros nos municípios de Balsas, (R$ 172 milhões), Coroatá (R$ 140 milhões), Santa Inês (R$ 34 milhões) e Porto Franco (R$ 14,5 milhões).
O titular da Seinc, Simplício Araújo, destaca a estratégia governamental para ampliar a produção: “Nós estamos priorizando a regionalização dos investimentos e o adensamento das cadeias produtivas maranhenses, levando em consideração as vocações locais e ajustando tributos para termos capacidade competitiva”.
Para Simplício, esse incentivo é fundamental para criar novas oportunidades de trabalho: “É uma perspectiva de geração cada vez maior de novos negócios, abrindo portas para que empreendedores invistam no estado, atraindo investimentos e geração de mais empregos”.
Mais investimentos

Psicultura em Balsas, atividade que gera empregos na região. Foto: Gilson Teixeira/Secap
Com o aumento da produção de grãos e da ampliação da capacidade do Porto do Itaqui para exportação, o governo atua para melhorar a infraestrutura logística de escoamento da produção de grãos do estado.
Com tratativas de operação de crédito em estágio avançado junto a instituição internacional de fomento, o Governo do Maranhão está alocando R$ 600 milhões para reconstrução de 650 km da rodovia estadual MA-006, do município maranhense de Alto Parnaíba ao Entroncamento com a BR-222, na região do município de Buriticupu, além da pavimentação das vias alimentadoras.
“A ampliação da infraestrutura da MA-006 fará com que ela atue também como corredor auxiliar nas localidades onde a ferrovia Norte-Sul não chega. Essa estratégia é fundamental para ampliar a produção de grãos”, diz o presidente da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), Ted Lago.
A obra, antiga reivindicação da região sul do Estado, garantirá a ampliação do escoamento da produção, gerando ainda movimentação de outros setores, como o de combustíveis, e aumentando ainda mais as oportunidades de trabalho.
Novos empregos gerados na agropecuária maranhense em junho:
Campestre do Maranhão: 498
Balsas: 136
Tasso Fragoso: 112
Tuntum: 57
São Raimundo das Mangabeiras: 30

Nenhum comentário: