OBRAS MAIS ASFALTO

OBRAS MAIS ASFALTO

domingo, 11 de junho de 2017

Mantida em cárcere privado, esposa do coronel levou três tiros dentro da viatura: na testa, nariz e pescoço


A relação entre o tenente coronel Miguel Neto e a agente penitenciária Clodiany Carvalho Garcia, nos últimos tempos, era tensa e envolta em brigas. Antes de cometer o suicídio, ele atirou três vezes com uma pistola contra a testa, nariz e pescoço da esposa. Ela já chegou morta ao hospital, completamente desfigurada.
Os pais da agente sabiam que ela estava vivendo em cárcere privado na rua Francelina, no centro de Barreirinhas, onde o casal tinha uma casa. Mas tinham medo de contar para a família por causa do estado violento que o oficial da PM apresentava ultimamente. Ele estava em tratamento psiquiátrico, pois era suspeito de ter transtorno de personalidade.
Clodiany vivia amarrada e era espancada sem dor e nem piedade, inclusive com correntes. Ele aumentou o som no mais alto grau para que vizinhos não ouvissem pedidos de socorro. Mas não adiantou. Os vizinhos denunciaram o fato para a polícia cedo da manhã de hoje.
Dois soldados foram até ao local e tomaram a arma do tenente coronel, mas não o levaram preso por ele ter uma patente maior. Foi bem aí o equivoco. O oficial olhou a esposa sendo levada pelos militares numa viatura e saiu de dentro da casa com uma sacola.
Quando a esposa desceu o vidro lateral da viatura, no banco de detrás, ele puxou outra pistola e atirou por três vezes. Levada ao hospital, ela não resistiu no caminho. A movimentação no hospital é grande, mas ninguém pode se aproximar do corpo.
Abaixo o corpo do tenente coronel após cometer suicídio:

Nenhum comentário: